Asfalto Morno

Devido à crescente conscientização mundial voltada para a segurança e saúde dos funcionários que lidam com massa asfáltica, além da consciência ecológica com ênfase na redução de emissões de CO2 e NO2 proveniente da redução de consumo de combustíveis durante a operação de usinagem a quente das massas asfálticas, foi desenvolvida a tecnologia conhecida como Warm Mix Asphalt – Asfalto-morno. Seguindo esta tendência mundial, a GRECA Asfaltos disponibiliza, essa tecnologia para o setor rodoviário nacional.
O Asfalto-morno possibilita a otimização das operações com Concreto Betuminoso Usinado a Quente – CBUQ através de sua característica intrínseca que permite a usinagem e compactação a temperaturas menores do que as usuais. Esta tecnologia visa minimizar os efeitos do envelhecimento impostos ao ligante asfáltico durante a usinagem elevando, consequententemente, a vida útil do pavimento.
O uso do Asfalto-morno também possibilita que se aumente o tempo de percurso da massa asfáltica, ou seja, ao se usinar o CBUQ na temperatura usual utilizando esta tecnologia permite que a massa (CBUQ) seja transportada por um período de tempo maior tendo em vista que a perda de temperatura devido ao percurso não impactará na qualidade final do serviço. Essa característica vem ao encontro das necessidades da realização de serviços em locais e condições extremas onde a massa asfáltica fica aguardando sua aplicação.
Avaliação do desempenho do Asfalto -morno
Objetivando demonstrar a viabilidade do Asfalto-morno, foram realizados estudos de compactação com variação da temperatura com a determinação do volume de vazios (VV), trabalhando-se com o teor ótimo de ligante em dois casos: CAP 50/70 e Asfalto-morno. Os resultados são apresentados nos gráficos 1 e 2 a seguir.


Avaliação dos gradientes de Temperatura
Foi também realizado ensaio de “resfriamento” do CBUQ moldado em laboratório, objetivando comparar os gradientes de temperaturas
para os CBUQs, utilizando CAP 50/70 e Asfalto-morno. Os resultados obtidos estão representados no Gráfico 3 – Perda de Temperatura x
Tempo, apresentado a seguir.

Conclusões
Observando-se os dados obtidos nos ensaios do comportamento da compactação pode-se concluir que o uso do Asfalto-morno permite a compactação em temperaturas menores do que as usuais.
Observando-se o comportamento do gradiente de temperatura (efeito de perda de temperatura) fica demonstrado de forma evidente que o uso do Asfalto-morno conduz a uma redução da perda de temperatura da mistura asfáltica avaliada ao longo do tempo.

Leia a matéria completa no informativo Fatos&Asfaltos nº21

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *