Aplicação de Microrrevestimento Asfáltico a Frio no preenchimento de trilhas de roda

Na edição passada do Fatos & Asfaltos contextualizamos a técnica de Microrrevestimento Asfáltico a Frio no preenchimento de trilhas de roda. Nesta edição daremos continuidade ao assunto apresentando a execução do serviço e conclusão do estudo.
Execução

A) Identificação em Medição das trilhas de roda presentes no trecho onde será aplicado o MRAF.

B) Realização de pintura de ligação no local das trilhas de roda com emulsão asfáltica modificada por polímero tipo RR-1C-EP e preenchimento das trilhas de roda com o MRAF seguindo as taxas e determinações de projeto.


C) Aguardar a cura total do MRAF para proceder com a liberação do tráfego. Na figura 6 pode-se observar a aparência do MRAF nas trilhas de roda 3 horas após a aplicação.


E) Execução da camada de revestimento final, neste caso 3 dias após a aplicação do MRAF na trilhas de roda, geralmente aplicado sobre todo o trecho numa espessura média de 8,0 mm, sempre seguindo as taxas e determinações indicadas no projeto. O tempo de liberação ideal ao tráfego pode variar entre 1h30 a 2 horas, dependendo do local e das condições climáticas. A figura 7 mostra um trecho antes e depois do serviço completo utilizando as duas técnicas de MRAF citadas nesse trabalho.


Na figura 8 é possível visualizar as condições de alguns pontos da rodovia um ano após a aplicação.


CONCLUSÃO
O serviço de preenchimento de trilhas de roda com MRAF é eficaz e de grande valia em pistas sem problemas estruturais mais graves e onde o afundamento da trilha não é tão profundo.

 

Leia a matéria completa no informativo Fatos&Asfaltos nº21

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *