Serra do Cafezal, um pesadelo próximo do fim

Em editorial de anterior Fatos & Asfaltos houve um enfoque sobre os problemas advindos da negligência das autoridades para a solução definitiva da duplicação da pista da Rodovia Régis Bittencourt (BR-116), que liga São Paulo a Curitiba.
O artigo mencionava que sua conclusão dependia das obras em um trecho de apenas 30 quilômetros na Serra do Cafezal, entre Juquitiba e Miracatu, no estado de São Paulo, seguidamente adiada por complexas discussões jurídico-ambientais, envolvendo DNIT, IBAMA, OAB, Ministério Público Federal e outras entidades. E, no que diz respeito a estes aspectos, a situação não parece ter melhorado. O impasse permanece, infernizando e até abreviando, em
muitos casos, a vida de todos os usuários da rodovia.
No entanto uma luz no fim do túnel parece se acender, finalmente. O Governo Federal, por leilão e através da ANTT – Agência Nacional de Transportes Terrestres, estará adjudicando à empresa vencedora do Edital de Concessão de n.º1 (Lote 06) a exploração deste trecho, que integra um dos mais importantes eixos de circulação de passageiros e riquezas, da malha rodoviária nacional. Concluída a correspondente contratação com a concessionária, a rodovia deverá passar por uma ampla reforma que propiciará – com modernização de traçados, recuperação asfáltica e permanente manutenção – um tráfego de veículos com muito mais conforto e segurança.
Claro que haverá um custo para seus usuários, representado pelo pagamento de pedágio nas 6 praças a serem instaladas ao longo de sua extensão. No entanto, se a cobrança se materializar no aperfeiçoamento programado, a redução dos custos operacionais e agilidade do transporte sobre pneus compensará o desembolso previsto, desde que este se mantenha em um nível razoável.E o mais importante é que, breve e finalmente, o segmento de pista
simples da Serra do Cafezal seja vencido e que sua existência se resuma definitivamente a uma triste lembrança que nunca mais voltará, qual um pesadelo, a tirar o sono de todos que utilizam a artéria.

Leia a matéria completa no informativo Fatos&Asfaltos nº12

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *