Ser otimista é o primeiro passo em direção a 2005

O transcurso do ano de 2004 frustrou as expectativas da Greca Asfaltos de recuperar-se do péssimo desempenho na comercialização de produtos asfálticos ocorridos no ano anterior, 2003, que havia se caracterizado como o pior dos últimos 10 anos para o setor. Tal desempenho decorreu da inércia do poder público em relação ao atendimento às necessidades de manutenção e expansão da malha rodoviária nacional.
Para o próximo ano, o setor será premiado se puder contar com apenas 20% do montante que as autoridades governamentais prometem canalizar para investimentos em infra-estrutura viária. No entanto, nem esta perspectiva encontra-se assegurada, pois todas as declarações soam como um “protocolo de intenções”, sem aparentar compromisso firme do poder público, anunciando de forma detalhada e definitiva, explicando como tal programação se processará.
A falta de definição clara e objetiva prejudica a organização do setor de distribuição de asfalto para o atendimento a uma determinada demanda, pois ela é desconhecida. Não há base sólida para saber se ela ocorrerá ou não, e nem em que intensidade. Os recursos da CIDE, se aplicados para o fim previsto em sua criação, poderiam propiciar uma retomada dos empreendimentos rodoviários gerando novos empregos que dispensariam, em parte, os programas sociais instituídos pelo poder público e que muitas vezes desvirtuam-se de seus reais objetivos.
Apesar deste panorama de incertezas, a Greca Asfaltos encontra-se apta a atender a sua parcela na demanda do produto pelos clientes. Entretanto, este atendimento seria otimizado se fosse possível contar com a perspectiva de seu volume e distribuição ao longo do ano de 2005, pois é sabido que a falta de investimentos em infra-estrutura e, principalmente, sua imprevisibilidade contribui para o surgimento de “gargalos” no transporte rodoviário e no atendimento tempestivo de insumos nas obras em execução.
Investimento em obras viárias, por se tratar de patrimônio nacional, é assunto sério e como tal é encarado em todos os países que se preocupam realmente com a manutenção de seu desenvolvi-mento e com o bem-estar de suas populações. É tempo de mudar o hábito brasileiro de canalizar recursos para a execução de obras públicas somente em meses pontuais ou vésperas de eleições.

Amadeu Greca

Amadeu Greca, Presidente da GRECA Distribuidora de Asfaltos
Amadeu Greca,
Presidente da GRECA Asfaltos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *